O meu Câncer.



Pedi-lhe alguns segundos para imaginar um novo mundo, um que não haja câncer.
O predicado da cena está influenciando a minha bela voz, desde que a nova doença espalhou-se, fez com que a vitalidade adoecesse.
Não lutarei mais contra tormentos, só tento lembrar-me dela.
E sempre as verdades irão surgir e devastarão enigmas.
Pode ser até no coração ou mesmo na mente. Nada a tirará de mim.
O meu câncer aumenta.
Depois de vários momentos cansado de andar; apenas passear no silêncio.
Com medo da alvorada triste, mudar-me-ei para o Olímpio.
Ontem eu a amei mais. 
Talvez uma má companhia seja melhor do que um bom silêncio.
Melhor muitos versos feios ao invés de um único belo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mente cinzenta: O mal entre instintos e consciência.

O infinito corredor

A melhor parte de mim.