Jardim dos pessegueiros!



... E eu venho pragmático e incontrolável com a lua cheia,
É como se um demônio surgisse dentro da minha carne,
É como se estivesse possuído pela própria vida,
É como se eu não vivesse mais solitário.
É como se eu conhecesse a finalidade de vida,
É como se eu soubesse falar a língua dos anjos,
É como se rimar fosse complicado e fácil, ao mesmo tempo,
É inestimável abrir mão dessa sensação.
Ao longo do tempo preenchi um vazio,
Ao longo da vida construí um castelo no lugar de um casebre,
Ao longo dos dias, eu deixei de viver solitário.
É como se tudo fosse o centro da vida e da terra.
É lento o meu pensar e rápida a minha emoção,
É lento o meu andar e farta a minha respiração,
É lenta a lembrança do passado medonho.
Seja incontrolável ao beijar-me.
É épica a nossa situação,
É um carma toda essa ascensão,
É privilegiada, é incrédula, é forte, é implacável... 
É a flor dileta do jardim dos pessegueiros!



Comentários

  1. "É como se estivesse possuído pela própria vida,[...]É privilegiada, é incrédula, é forte, é implacável...É a flor dileta do jardim dos pessegueiros!"
    Que poesia intensa!
    gostei!beijitos

    ResponderExcluir
  2. Ah! Obrigado, estava escutando essa música logo pela manhã e tive a inspiração de escrever, devido a uma situação em que vivo e não sendo muito difícil, só tiver que ser sincero com as palavras e chegar ao fim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mente cinzenta: O mal entre instintos e consciência.

O infinito corredor

A melhor parte de mim.