Carnal

Venha beijar-me minha doce e louca
Na alucinação,  perdição, cobiça e na omissão.
Beba do meu sangue, prove do meu vinho.
Não sou Jesus, não sou anjo e nem profanador.
Sou homem errante, louco e cheio de tesão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mente cinzenta: O mal entre instintos e consciência.

Da busca

O infinito corredor