Azul e amarelo.



Foi tão velho um dia e mesmo assim conseguiu estar jovem e amarelo de novo.
Foi tão bom como o primeiro beijo e agora se torna ruim como o último.
Um brinquedo de hipotecar cores enfeitiçou o rosto.
Dois rios que se encontrarão,
um negro e o outro claro.
Entre azul e amarelo, quero o negro.
E mesmo que a melhor festa fosse iluminada,
Eles não iriam com esse tempo.
Nascendo de novo para escolher…
Morrendo de novo para me escolherem…
Azul e amarelo.

Comentários

  1. Querido escritor, há um presentinho para ti em meu blog Lectando-me. Com carinho, ofereço-te.
    Abraço,
    Jasanf.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O infinito corredor

Mente cinzenta: O mal entre instintos e consciência.

A melhor parte de mim.