Postagens

Mostrando postagens de Março, 2011

Corcel.

O corcel branco vagava pela floresta durante as noites de abril nas proximidades da vila. Todos tinham receio a respeito do poldro que obtinha um brilho exuberante. Assim dizia a lenda que os antigos contavam. Certa vez, um casal de namorados foi passear a cavalo próximo ao rio, seus corpos foram tomados de desejos assim que chegaram. Um a um os pontos mais íntimos foram descobertos. A paixão predominava… Os jovens apenas queriam desfrutar de cada desejo, a carne era cerrada na unha e, todo o vigor dos dois era perceptivo a quilômetros. Após o deleite de amor, ambos estavam satisfeitos com tudo aquilo e até planejavam suas vidas. De repente, uma luz fascinante os tomou por toda face, já estava tarde da noite. Um barulho grande os assombrou, era o próprio demônio. Ambos correram sem roupas da peste que os seguiam. O corcel tomou forma na frente dos dois, o rapaz tentou defender a honra da amada, se pôs diante dela e enfrentou o fantasma… No dia seguinte já deram falta pelos dois na vila, um…

Novos passos.

Imagem
Embriagado pela cachaça e perturbado pelo excesso de bagagem,
                        Proclamei uma nova fase.                                     Com os pés descalços na estrada eu descobri os degraus.                                                                            Um a um, inovo o tamanho dos passos.

Casebre.

Nesta casa de vidraça consigo ver os desejos.
Nesta rua, há dois casebres.
Envelheço nos meus conceitos,
Rejuvenesço nos cantos verdes.
Talvez de pé sinta os dois joelhos.
Apodreço no desespero
Enalteço os meus segredos.
Moro no casebre ao lado dos espelhos.
Morro nas vontades e fujo quando é realidade.Todos os meus receios aprisionados nas tábuas de vidraças.

Espelho.

Como um a espelho aprendi a refletir a sua imagem:
-Sou único, perfeitamente errado e despreocupado com os acasos. Verdadeiramente apaixonado pela vida e desdenho simpatia. Pequenos olhos e grande coração. Um ser amável por todos. Sorrisos espontâneos e face angelical. Meus pés são pequenos e os braços fortes.
Fui buscar primavera no fim do outono Até nas nuvens os pássaros que fiz puderam voar. Foi sem você que eu me perdi e com você que me encontrei.

Apenas gente!!!

Rejuvenescer ao ouvir uma música. Sentar numa cadeira com uma xícara de café e sentir os diversões aromas, Questionar o nascer do sol e, Enaltecer o seu adormecer; Roubar idéias; favorecer-se de resultados e inteligência, Endurecer o semblante em busca de reconforto, Abusar de termos pejorativos; Falar mal, elogiar, amar, perturbar; aclamar a beleza e Insultar a sua ausência. A gente; apenas é gente - não exemplos nem citações maliciosas... Apenas gente do bem, ora indo para o céu, ora indo para o inferno.

Prodígio!

Rouba as almas dos apaixonados em meio ao mar vermelho de prazeres, a noite alia-se na sua caça. Bem longe daqui ouço seu chamado. Estou pronto para dar tudo de mim. Sou apenas um mortal prodígio, Que ousa em dizer que é único, Pois que atrevimento o seu em me chamar.

Vês suas lágrimas!

Vês as lágrimas saindo do teu caule. Vês tuas pétalas jorrando sentimentos. Abra-te os olhos, ponha-te em teu lugar. Sinta a tua própria dor, orgulho banal. Sofras menos, faça-te maior, viva intensamente. Engula tuas raízes, cuspa o teu podre, Engula a sabedoria, devore a perturbação. Liberta-te de dúvidas, liberte de crenças. Alimenta-te de emoção. Viva o meu mundo,viva o saber, esqueça-te da lucidez. Bebereis de toda vida ao teu lado, Bebereis de tua virgindade celestial. Corrompe-me a tua crueldade, Cujas pertinências nos levaram solitários. Esqueça-te do passado. Olhemos o futuro, Amaremos o teu presente, Celebraremos nosso “recomeçar”.

Carnal

Venha beijar-me minha doce e louca
Na alucinação,  perdição, cobiça e na omissão. Beba do meu sangue, prove do meu vinho. Não sou Jesus, não sou anjo e nem profanador. Sou homem errante, louco e cheio de tesão.

Vou ensinar-te como escrever

Vou ensinar-te como escrever: Atenta-te aos odores, fica acessível a qualquer emoção. Põe a marcha que toca o teu coração. Amaras-me em silencio, pois eu preciso desse tempo, Apenas cinco minutos tu farás desse momento, Um novo tempo. Cerra os dentes em sinal de desistência, Morde os lábios quando estiveres contente. Não deixe a marcha à mercê. Aflora desejos, enlouqueça as asneiras. E, agora fecha os olhos; pare a serenata; Interrompa toda a vontade. Eu irei ler o escrito que tu fizeste.

No buraco do seu jardim

Mesmo que tudo esteja escuro eu nunca me esquecerei das flores do seu jardim. Enterro minhas memórias. Torno-me um estrangeiro para cavar um buraco no seu jardim, aonde caibam minhas mágoas. 
Gritei uma vez ninguém ouvi
...Atravessando a fronteira da vida e da morte só para ver se alcançava o seu jardim.
No oceano existem pessoas mortas, mas também existem pessoas vivas. Coisas estranhas acontecem com quem está sozinho. 
Meu sonho é parar de sonhar, memórias são de dar saudades.
Tristeza é a única palavra que aprendi no buraco do seu jardim.

Amadurecer.

Certos momentos excepcionais merecem atenção.
Pela manhã pássaros famintos vêm até a minha porta em busca de migalhas de pão. Uma vida boa, somente prazeres dignos... E sempre criando alguns costumes. Gosto de beijos E também de abraços. Meu melhor hábito foi escolher amar. Minha pior escolha foi lhe deixar. Nos primeiros erros, meus pés doeram. Naufraguei nos meus deslizes, agora arrumei todos os desejos. E impressiono-me com antigos desesperos.

"Raí-Cai"

Esqueço-me de princesas, Invoco a Deusa da beleza.
Acordando todos extintos, Provocando fraquezas.
Despertar maneiras… Faz nascer toda esperteza .         
             Que frieza do meu amor,
Esqueceres do nome daquela flor.

Bonequinha de pau!

Imagem

Paixão

Forte empolgação, Avulso desconforto, Tremendo temor, Um desejo avassalador. Não há hipótese para titubear, Nem motivos para hesitar. O toque sobre a pele faz estremecer desejos. Os sentimentos nas palavras sensatas Faz apagar o fogo dos namorados. Esboçar é diferente de provar. Cale-se e venha me beijar.

O meu Câncer.

Pedi-lhe alguns segundos para imaginar um novo mundo, um que não haja câncer. O predicado da cena está influenciando a minha bela voz, desde que a nova doença espalhou-se, fez com que a vitalidade adoecesse. Não lutarei mais contra tormentos, só tento lembrar-me dela. E sempre as verdades irão surgir e devastarão enigmas. Pode ser até no coração ou mesmo na mente. Nada a tirará de mim. O meu câncer aumenta. Depois de vários momentos cansado de andar; apenas passear no silêncio. Com medo da alvorada triste, mudar-me-ei para o Olímpio. Ontem eu a amei mais. 
Talvez uma má companhia seja melhor do que um bom silêncio. Melhor muitos versos feios ao invés de um único belo.

Azul e amarelo.

Nova direção.

Não há um novo jogo para se jogar apenas uma vida para se viver. E não há um novo mundo para começar, apenas um velho para terminar. Paciência em mim causa claustrofobia em você. Quando estiver aflito assovie então para que eu possa guiar-lhe. Em cima do banco de madeira, minhas pernas sentem a ausência de andar. Paciência é tudo o que peço, meu cravo. Suas sementes infestaram minha alcova. Na chuva que outrora o fez mudar, eu vou implorar. Adeus gritarei antes que a antiga tempestade chegue! Voltarei para o inicio para formular as regras que sempre quis legislar.