Corcel.





O corcel branco vagava pela floresta durante as noites de abril nas proximidades da vila.
Todos tinham receio a respeito do poldro que obtinha um brilho exuberante.
Assim dizia a lenda que os antigos contavam.
Certa vez, um casal de namorados foi passear a cavalo próximo ao rio, seus corpos foram tomados de desejos assim que chegaram. Um a um os pontos mais íntimos foram descobertos. A paixão predominava… Os jovens apenas queriam desfrutar de cada desejo, a carne era cerrada na unha e, todo o vigor dos dois era perceptivo a quilômetros.
Após o deleite de amor, ambos estavam satisfeitos com tudo aquilo e até planejavam suas vidas. De repente, uma luz fascinante os tomou por toda face, já estava tarde da noite. Um barulho grande os assombrou, era o próprio demônio. Ambos correram sem roupas da peste que os seguiam.
O corcel tomou forma na frente dos dois, o rapaz tentou defender a honra da amada, se pôs diante dela e enfrentou o fantasma…
No dia seguinte já deram falta pelos dois na vila, uma equipe de busca saiu para procurá-los.
Um grito se ouvira, todos correram para cena descoberta, lá estavam os dois abraçados e pisoteados…
O corcel nunca mais apareceu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O infinito corredor

Mente cinzenta: O mal entre instintos e consciência.

A melhor parte de mim.