O infinito corredor



Quando tu vais embora com um lento andar ao longo do corredor, passando pelas mobílias que fazem cena para enfeitar a paisagem, sinto-me o próprio chão e sinto-te no andar, na caminhada monótona e gostosa.
Posso calcular e dividir cada molécula que tu tocas, posso fantasiar como serás cada milésimo de segundo no dia seguinte que estiveres a fim de mim. No íntimo amor compartilharei de minhas supliciadas respirações de saudades.
Porque agora é hora de ires, estás chegando ao final do corredor e som do relógio cativante está mais intenso como numa sinfonia de Beethoven e as horas mais melancólicas como nos pensamentos de Einstein.
Amanhã esperar-te-ei e continuaremos a fundamentalizar o amor nos aspectos mais minuciosos e derradeiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mente cinzenta: O mal entre instintos e consciência.

A melhor parte de mim.