Um belo conceito.

É o uso pragmático do cérebro que torna a vida diferente e não o uso convencional ou insano. Pois trata-se de consciência e não temor. No âmbito racional ainda é certo que deixamos para trás alguns elementos que estão proliferando nos dias de hoje, noutro momento já foram mais conceituais. Assim é a arte, livre de exigências e compromissos; bela e plena. Ainda que ela desapareça no mundo sempre haverão as almas sussurrantes em sua busca. Porque é na alma que se chora e nos olhos que se escondem as lágrimas.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mente cinzenta: O mal entre instintos e consciência.

O infinito corredor

A melhor parte de mim.