Ao som da Viola




Eu tenho cólicas de tristeza quando sua voz some...
Às vezes em som de viola imploro por outra valsa...
Estanco lágrimas com lembranças agradáveis...
...E ao som de um tango Argentino aproxima-se a melancolia da madrugada.

Foi por terra que tudo iniciou-se e em água que acabou...
Se fosse impróprio, a valsa seria triste...
O vento seria frio....
E o sol quente.

Ao som da viola peço novamente que me droguem...
Façam-me dormir e delirar para lembrar...
Num acaso sem surpresas, como em novelas...
Ela volta pela tarde e tudo acontece novamente, sempre ao som da viola...





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O infinito corredor

Mente cinzenta: O mal entre instintos e consciência.

A melhor parte de mim.