Meu Reino!


A minha alma é triste e sem esperança, com traços estranhos de melancolia.

Após as palavras só ficam os momentos nas lembranças.
E minha tristeza é eterna por falta de crenças,
e a minha paz é contingente do destino.

E eu bordei nas linhas os meus medos esperando milagres acontecerem,

e foi através das histórias que me dediquei a ser grande
em meu mundo encantado, onde as coisas não tem forma e nem jeito.
No meu reino imaginário sou como um imperador.

A vida teima a passar diante dos meus olhos, como naquela história do coelho e a tartaruga.

Eu espero poder ser sensato e quando olhar para as estrelas
sentir uma gama positiva; pôr minha cabeça sobre flores
e apenas levitar nos meus sonhos, onde não há realidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mente cinzenta: O mal entre instintos e consciência.

O infinito corredor

A melhor parte de mim.